ANSYS e NCSA alcançam marco da supercomputação


Busca por maior eficiência na simulação computacional impulsiona empresas a investir em desenvolvimento de novas tecnologias

ANSYS e NCSA (National Center for Supercomputing Applications) – centro interdisciplinar envolvido no apoio a pesquisa e educação com pesquisadores e estudantes da Universidade de Illinois – anunciaram que ampliaram a capacidade de paralelização do ANSYS FLUENT para utilização de até 36 mil núcleos (cores). Este é um feito inédito para um software comercial, possibilitando uma maior eficiência e facilitando a inovação em todo o processo de desenvolvimento de produtos.

Na medida em que as empresas buscam otimizar fatores tais como tempo, custo e qualidade através da utilização de ferramentas de simulação, elas são limitadas pela capacidade de processamento dos computadores atuais. A computação de alto desempenho (High-performance computing – HPC) tornou-se uma tecnologia estratégica pois permite avaliar um maior número de cenários, proporcionando uma melhor produtividade e oferecendo uma maior visibilidade no desempenho de produtos em desenvolvimento

A combinação do supercomputador Blue Waters, da equipe de engenharia da Cray Inc., da equipe técnica da NCSA Private Sector Program e recentes melhorias no código do FLUENT permite às organizações analisar os mais complexos e realísticos casos de simulação. O Blue Waters utiliza centenas de milhares de núcleos computacionais para atingir mais de 13 quatrilhões de cálculos por segundo. Esse poder avançado de processamento é útil para aplicações como o ANSYS FLUENT, líder na área de Fluidodinâmica Computacional (CFD) e utilizado por organizações ao redor do mundo.

Combustão interna de motor modelada usando o ANSYS FLUENT
Combustão interna de motor modelada usando o ANSYS FLUENT

“Nós estamos ligando todos os pontos”, disse Ahmed Taha, coordenador sênior de recursos computacional da NCSA. “A NCSA é incomparável na capacidade de conectar os usuários da indústria, os fornecedores de hardware e software, e sua própria equipe técnica. Além disso, este nível de escalabilidade em um solver comercial de dinâmica dos fluidos é sem precedentes em nosso sistema, especialmente considerando a complexidade do modelo físico (transiente, turbulência, transporte de espécies químicas e múltiplos fluxos não reativos).

“O poder computacional aumentou mais de mil vezes na última década, permitindo aos engenheiros resolver problemas para os quais não existia solução”, conta Wim Slagter, gerente de produtos ANSYS HPC. “Embora a maioria das empresas não possua acesso a 36 mil cores atualmente, não vai demorar para que essa quantidade passe a ser comum. E até mesmo os usuários que atualmente utilizam menos núcleos perceberão os benefícios através de uma maior eficiência. Os resultados serão os produtos mais incríveis entregues mais rápido do que nunca aos clientes”.

A ANSYS e a NCSA planejam continuar explorando os limites da computação, incluindo testes e melhorando a escalabilidade de modelos de dinâmica dos fluidos computacional envolvendo físicas mais complexas. Outros esforços de colaboração envolvem a utilização do FLUENT nas unidades de processamento gráfico (GPU) NVIDIA, bem como testando os limites da supercomputação para aplicações como turbomáquinas utilizando ANSYS CFX.

Fonte: ANSYS


Comentarios

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *