Simulação Computacional: por que investir?


Você já se questionou quanto tempo e dinheiro sua empresa gasta para desenvolver protótipos? Ou, quanto tempo seus engenheiros dedicam diariamente no desenvolvimento de projetos? Imagine quanto poderia lucrar ao reduzir esses gastos! A simulação computacional é uma alternativa que cada vez mais empresas estão usando para alcançar estes objetivos. Com ela é possível reduzir tempo e custos de desenvolvimento e ainda otimizar o produto.

A Vale, por exemplo, conseguiu realizar a otimização de plantas existentes e economizar US$ 100 milhões em apenas um ano. Além disso, reduziu o tempo empregado pela equipe de engenharia no desenvolvimento de projetos em 70%. Segundo Ueld Jose de Nobrega, Engenheiro da Gerência de Engenharia de Manutenção e Melhoria da Vale, a simulação é essencial uma vez que permite testar diferentes possibilidades sem gastar milhões com o desenvolvimento de protótipos. “Com a simulação conseguimos defender as mudanças e a atualização dos equipamentos, pois sabemos que todo o dinheiro investido irá retornar ”, explica.

A Higra, fabricante de bombas hidráulicas, aplicou a simulação computacional em uma linha de bombas e aumentou a eficiência do produto em 11%. Com a novidade, um dos clientes da Higra apostou no novo produto e fez a substituição do equipamento de outro fabricante, o que proporcionou uma redução de 35% na potência do motor, gerando uma economia de R$ 30 mil mensais na conta de energia do cliente. Satisfeito com o resultado, o cliente adquiriu mais quatro bombas para completar o sistema e, em apenas um ano, conquistou uma economia de cerca de R$1,8 milhão em energia elétrica.

É por resultados como estes que empresas de grande, médio e pequeno porte estão investindo na Simulação Computacional com o objetivo de se tornarem ainda mais competitivas no mercado.

Sua empresa é Best-in-Class ou Retardatária?
O Aberdeen Group, empresa especializada em pesquisa e análise de empresas de tecnologias da informação e produtos, realizou uma pesquisa sobre as melhores práticas empregadas pelas companhias. Para isso, a pesquisa classificou as companhias em três níveis – Best-in-Class (melhores), Average (médias) e Laggards (retardatárias) – de acordo com as práticas utilizadas.

A pesquisa pediu para que as empresas participantes destacassem e apontassem quais os dois principais desafios que têm encontrado no desenvolvimento de produtos. Os principais problemas relatados pelas empresas envolvidas na pesquisa são:

Desafios enfrentados pelas empresas no desenvolvimento de projetos de produtos

Desafios enfrentados pelas empresas no desenvolvimento de projetos de produtos

Segundo o especialista em Computer-Aided Engineering (CAE), Bruno Contessi, a utilização adequada das ferramentas de simulação computacional pode auxiliar a solucionar praticamente 100% desses problemas. “A simulação ajuda a entender melhor a física que ocorre em um produto ou processo e isso é muito útil para embasar a tomada de decisão. Quando a tecnologia CAE é aplicada ainda na fase conceitual do projeto, pode-se alcançar maior valor, pois diminui consideravelmente a necessidade da criação de experimentos e protótipos, que demandam alto custo com ferramental e recursos humanos”, explica.

A pesquisa da Aberdeen também focou em como as empresas estão utilizando a simulação computacional no dia a dia para agregar valor ao produto. Os dois gráficos abaixo mostram como as empresas utilizam as ferramentas de simulação no processo produtivo para obter melhores resultados frente aos concorrentes. Com o auxílio das soluções de simulação, essas empresas conseguem cumprir a data de lançamento do produto, se mantendo por mais tempo na liderança de mercado, aumentando o faturamento, além de obter outros benefícios.

Como a simulação é utilizada

Empresas Best-in-Class fazem uso das ferramentas de simulação com mais frequência

Estratégia das empresas Best-inClass

Empresas Best-in-Class utilizam simulação em todo o processo de desenvolvimento de produto

Já o gráfico abaixo mostra as fases de produção de um produto – do desenvolvimento do projeto à produção final – e apresenta a relação entre o tempo empregado em cada etapa (eixo X) e o número de problemas (eixo y) que podem ser resolvidos em cada uma das etapas utilizando diferentes métodos.

Impacto da Simulação sobre a Rentabilidade do Produto

Impacto da Simulação sobre a Rentabilidade do Produto

Como é possível verificar, ao utilizar a simulação computacional desde a fase conceitual do projeto – onde é possível explorar diversos cenários a um custo baixo de modificação é possível identificar a maior quantidade de falhas, corrigi-las, reduzir o tempo total empregado no desenvolvimento do produto e minimizar os custos envolvidos. Já ao utilizar outros métodos é possível identificar que, quando o erro/falha é identificado e corrigido em fases mais adiantadas do processo de produção, maiores são os gastos financeiros empregados com as mudanças no projeto e no tempo de desenvolvimento.

Outro dado importante é que com o auxílio da simulação computacional as empresas líderes de mercado conseguem estender a vida do produto e obter maior volume de produção, maior tempo de venda do produto no mercado, maior preço médio de venda, baixo custo dos produtos vendidos e lançar produtos de sucesso em menor tempo em relação à concorrência. Para saber mais informações sobre a pesquisa desenvolvida pela Aberdeen Group acesse aqui.

Qual a sua opinião sobre o uso da simulação para reduzir custos e ganhar competitividade?
Call-to-action_pt


Comentarios

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *