Projeto Inovador ajuda Petrobras a economizar 80 milhões de dólares


A edição 2016 do Prêmio ANP de Inovação Tecnológica 2016 premiou o programa PWDa (Programa de Diagnóstico de Problemas de Perfuração em Tempo Real) na categoria Inovação Tecnológica desenvolvida no Brasil por Micro, Pequena ou Média Empresa do Segmento de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis em Colaboração com Empresa Petrolífera. O software de monitoramento de perfuração de poços é desenvolvido pela ESSS em parceria com UCL, UFRRJ e UTFPR para a Petrobras, e é utilizado para manipulação, simulação e análise de dados, principalmente da pressão, oriundos do processo de perfuração de poços em reservatórios de petróleo.

O programa aumenta a segurança operacional da Petrobras, pois permite prever possíveis riscos à equipe de operação, bem como reduzir custos comerciais ao prever e evitar falhas que levam a prejuízos de milhões de reais. “Estimamos que o projeto PWDa ofereça um ganho potencial em cerca de 80 milhões de dólares nos últimos dois anos. Além disso, é uma ferramenta que ajuda a tomar decisões mais acertadas”, explica Roni Abensur Gandelman, coordenador dos centros de suporte de decisão da Petrobras.

O PWDa é o primeiro software desenvolvido no país com modelos de cálculos transientes para interpretações em tempo real de possíveis problemas operacionais durante a perfuração de poços, auxiliando no processo de tomada de decisão, por meio de metodologia automatizada de análise de dados com critérios quantitativos, retirando a parte subjetiva da interpretação e identificação de eventos. A premiação da ANP coloca essa questão em evidência, especialmente pelo fato de reconhecer estes projetos ligados à Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P,D&I). “Receber um prêmio como este, que é um dos principais em P&D do Brasil, é o reconhecimento do trabalho realizado de forma séria e focada que a ESSS desempenha ao longo dos seus mais de 20 anos de atuação junto ao mercado”, afirma Clovis Maliska Junior, Presidente da ESSS.

Projeto PWDa

A perfuração de poços de petróleo é um processo complexo e de alto custo. Por isso, fenômenos que impactam diretamente na pressão com a qual os equipamentos de perfuração trabalham pode prejudicar parcial ou totalmente o processo de conclusão, acarretando em grandes prejuízos. O projeto PWDa atua no sentido de garantir a pressão anular entre os limites de pressão de poros e gradiente de fratura, evitando a invasão indesejada de fluidos e fratura da rocha.

Os resultados obtidos durante a perfuração são acompanhados e analisados constantemente, condição que possibilita à equipe técnica formada por engenheiros da Petrobras e da ESSS detectar possíveis falhas e auxiliar na tomada de decisão. Veja como o PDWa funciona no infográfico abaixo.

Infográfico: Projeto Inovador ajuda Petrobras a economizar 80 milhões de dólares

 

 

 

Call-to-action_pt


Comentarios

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *